Demi Lovato e Miley Cyrus serão destaque no Grammy 2018, segundo Billboard
Avril Lavigne está voltando
Ouça ‘Look What You Made Me Do’, o single de retorno da Taylor Swift
Demi Lovato anuncia ‘Tell Me You Love Me’, seu novo álbum
Novo single da Taylor Swift sai na próxima sexta
Assista ao videoclipe de ‘Decote’, parceria entre Pabllo Vittar e Preta Gil
2 meses
Destaque // Música

Porquê os resultados de ‘Sua Cara’ importam tanto para o Brasil e a comunidade LGBT

Vocês pensaram que a gente não ia rebolar a bunda delas hoje?

No dia 01 de junho de 2017 o Brasil ganhou um dos seus melhores presentes em termos de representatividade a níveis mundiais. Nunca, antes, uma produção com artistas brasileiros havia tomado tanta proporção quanto a parceria de Anitta, Pabllo Vittar e Major Lazer, ‘Sua Cara’.

A música, gravada em março desse ano, garantiu mais de 4 milhões de visualizações nas primeiras 24 horas, na conta oficial do trio de DJs no YouTube. ‘Sua Cara’, primeiramente escrita e desenvolvida para Anitta, obteve melhores resultados que o single oficial do EP dos DJs, ‘Know No Better’, em parceria com a Camila Cabello.

Apesar de toda a comoção por parte dos fãs de ambas Anitta e Pabllo, que já haviam se apresentado juntas no Bloco da primeira em fevereiro, haviam pessoas reclamando da visibilidade, o que veio a ser deixado de lado após boa parte da mídia nacional e internacional destacou a produção.

Anitta, mulher, 24 anos, veio favela e hoje é o principal nome do nosso país no mercado mundial. Mérito próprio, a carioca cuida da sua própria carreira há mais de três anos, e possui uma carreira ascendente. A menina “meiga”, do primeiro álbum da cantora, evoluiu com todos os seus lançamentos, se apresentou na abertura das olimpíadas e ainda participou de uma tentativa de salvar a música ‘We Are One’, da Copa de 2014, viu o auge de sua carreira devido ao apelo nacional de seus fãs e, em especial, toda a comunidade LGBT.

Já Pabllo Vittar chegou quietinha, mostrou seu poder vocal já no single de estreia, ‘Open Bar’ (2015) e chamou a atenção de vários produtores nacionais e internacionais. A maranhense de 22 anos pode ser tomada como uma das maiores representantes da comunidade LGBT no Brasil. Com apenas um álbum, a cantora é dona do maior videoclipe e single lançados por uma Drag Queem mundo! Pabllo sofreu muito preconceito por parte da própria comunidade que deveria defendê-la.

Como se não bastasse a dificuldade de serem brasileiras no mercado musical, uma Drag e uma Mulher carregam a nossa bandeira lá fora. Representatividade importa, e é isso que a gente está presenciando em um país predominantemente machista e acostumado a ver somente músicas sertanejas no topo das paradas.

Apertem os cintos, porquê isso é só o começo.

 

Curta a página do FANSBR no Facebook:
// 31/07/17 às 12:26 am