Taeyeon está de volta com um novo [e ótimo] álbum

Antônio Lemos publicou isso há 9 meses.

Primeiramente, gostaria de dizer que eu escrevo este post REVOLTADO porque os apps musicais coreanos resolveram que agora streams antes das 12h00 PM não contam mais pros charts, numa tentativa de impedir que os fãs deem 1 zilhão de streams durante a madrugada, gerando estatísticas falsas. Aí você, caro leitor, me pergunta, o que diabos isso significa? Bem, significa que agora as músicas que saiam no dia anterior às 12h00 aqui no Brasil, agora saem 12h mais tarde, e eu tenho que escrever este post durante a madrugada. Vida que segue.

Bem, como já está mais que claro, Taeyeon é a solista mais bem sucedida da Coréia do Sul, e por mais que os fãs de IU, os fãs da veterana BoA e que os fãs da CibeLe digam que não, quando Taeyeon lança algo, a coréia DEITA. Apesar de ter desacelerado comercialmente (e acelerado o passo) com A Mesma Música Tropical-House Assinada por LDN Noise de um act da SM™, ela fez a conhecida limpeza de imagem com a mais morna e calma 11:11, um pop acústico sem ápice mas que mostra as habilidades vocais da FADA.

Ainda desacelerando (o ritmo, porque comercialmente a música e quase o álbum inteiro estão no topo das tabelas musicais), ela lança Fine, que combina perfeitamente o som de todos os lançamentos até agora, em algo que parece uma Taeyeon raiz, com vocais impressionantes e sofrida por macho GENTE COMO A GENTE PISA MENOS KIM TAEYEON. Pausa dramática para o Fin.~~E no fim do clipe, dando a entender 1_o fim da música e o nome da faixa; 2_o fim de um relacionamento; não acredito que Taeyeon inventou o conceito.

Voltando as atenções ao álbum, ele soa como uma coletânea dos lançamentos de Taeyeon, o que não é algo ruim, já que mostra a versatilidade dela enquanto ato, fazendo que o álbum flua de uma música pop alternativa (como a SM descreve FINE), passe pelo R&B de Sweet Love e chegue em Fire, um pop-rock que soa como Taeyeon no seu mini álbum de estréia. Mas como nem tudo são flores, o álbum tem duas baladas a serem ignoradas (a não ser que você goste de baladas que soam como trilha sonora de dorama, o que realmente acho DIFÍCIL), chamadas When I Was Young fala sério, isso até soa como título de faixa da Adele, e Love In Color.

Não gosto muito de comparações, porque sempre acontece de alguma fã-base dizer “COMO ASSIM VOCÊ ESTÁ COMPARANDO [INSIRA AQUI UM ARTISTA OCIDENTAL] COM ESTE LIXO DE KPOP”, mas eu sempre as faço de qualquer jeito, porque eu não poderia ligar menos, além de gostar de passar raiva. Mas…… essa versatilidade do álbum, diferentes tonalidades e momentos lembra o icônico Red, da Taylor Swift que perdeu o grammy de álbum do ano, álbum country do ano, e música country, para artistas e músicas das quais NINGUÉM LIGA OU SE LEMBRA.

p.s.: ESCUTEM COVER UP

Junte-se ao FansBR no Facebook

Discussão

Mais Conteúdo